PUB.

Ministra da Agricultora garantiu em Macedo de Cavaleiros pagamento das eco regimes em Fevereiro e Março

PUB.

Seg, 12/02/2024 - 20:04


A ministra da Agricultura esteve esta tarde reunida, na câmara de Macedo de Cavaleiros, com os agricultores da região

A reunião surgiu no seguimento dos protestos da semana passada que levaram ao fecho da auto-estrada.

Quando Maria do Céu Antunes chegou a Macedo de Cavaleiros, já dezenas de agricultores estavam reunidos para a receber. À sua chegada assobios não faltaram e na despedida ainda se multiplicaram.

A ministra esteve reunida, durante duas horas, com alguns agricultores, na Câmara de Macedo, mas não quis prestar declarações à comunicação social.

Já os agricultores, presentes na reunião, foram recebidos com aplausos pelos restantes agricultores que aguardavam cá fora expectantes com o que terá prometido a governanta.

De acordo com Armindo Lopes, um dos agricultores que esteve na reunião, foram atendidas algumas reivindicações, mas também foram obrigados a ceder a outras.

Quanto às reclamações, o agricultor explicou “os agricultores que foram sujeitos a controlo, relativamente à campanha de 2023” houve a garantia da ministra e do vice-presidente do IFAP, Instituto de Financiamento de Agricultura e Pescas, que “serão pagas até ao fim de Fevereiro” e relativamente aos eco regimes, agricultura biológica e integrada, dos “35% que inicialmente iriam estar a cortes vão ficar 10% a 25 de Junho e o remanescente desse será pago durante o mês de Março”. “Relativamente às candidaturas do pedido único deste ano tivemos a garantia do IFAP e da ministra de que vai voltar ao calendário que era até 2022. Teremos um adiantamento em Outubro e um segundo pagamento em Dezembro”, adiantou.

No entanto, algumas reclamações não foram atendidas, como a isenção o IVA do gasóleo agrícola e considerá-lo como factor de produção. “Relativamente ao imposto sobre o gasóleo agrícola, a ministra não se pode comprometer connosco porque tem que ter a aprovação da Assembleia da República”, explicou Eduardo Almendra, outro dos agricultores que esteve na reunião.

As reclamações dos agricultores já não são de agora, mas a semanas das eleições e em Governo de gestão é que vem garantir financiamento aos agricultores. Segundo Eduardo Almendra, a justificação dada pela governante para só agora estarem a ser ouvidos, tem a ver com a alteração do quadro comunitário. “Foi isto que nos foi explicado, mas já não andamos nisto há dois dias”, afirmou.

Foi ainda pedida atenção para os apicultores, nomeadamente no que diz respeito à “importação de produtos agrícolas”. “Abordámos a questão da limitação de ganhos ao longo da cadeia de distribuição. Ficamos com o contacto com adjunto da ministra e vamos continuar as conversações com ele. Na região, além das doenças que temos, não conseguimos competir com o preço do mel que vem de fora”, adiantou Armindo Lopes.

Para já os agricultores vão esperar que as promessas da ministra se cumpram. Entre 20 e 24 de Fevereiro, o pagamento de 60% do valor dos eco regimes e em Março o pagamento de mais 25%, ficando apenas a sobrar 10%, que serão pagos em Junho. Se isso não acontecer, as reacções são claras. “Cumprindo com aquelas medidas, para já não vamos para a rua. Não cumprindo, voltamos à luta”, vincou Eduardo Almendra.

A ministra seguiu ainda para Mirandela, onde esteve reunida com os agricultores de Carrazeda de Ansiães que reivindicação a construção de torres anti granizo, uma vez que o granizo afecta bastante as culturas neste concelho.

Escrito por Brigantia

Jornalista: 
Ângela Pais