Deolinda preparam edição internacional de "Canção ao Lado"

Sex, 19/12/2008 - 18:01


 Deolinda preparam edição internacional de "Canção ao Lado"

Os portugueses Deolinda editam a partir de Março o álbum de estreia, "Canção ao Lado", no mercado internacional e preparam uma digressão por vários países europeus.

«Canção ao Lado» será editado na Bélgica, Holanda, Luxemburgo e França em Março e no mercado britânico em Abril pela editora holandesa World Connection, a mesma que edita Mariza, Sara Tavares ou o guitarrista Mário Pacheco.

A propósito da edição internacional do disco, o grupo português está a preparar uma digressão europeia para essa mesma altura.

Segundo o MySpace dos Deolinda, a estreia ao vivo fora de Portugal acontecerá a 14 de Fevereiro em Leuven, na Bélgica, num espectáculo onde também actuarão os Madredeus.

Estão previstas ainda actuações em países como Espanha, Itália, Alemanha, França, Suíça, Áustria, Bélgica e Holanda.

«Canção ao Lado» é disco de platina

Os Deolinda surgiram em 2006 com os irmãos Pedro e Luís Martins nas guitarras clássicas, José Pedro Leitão no contrabaixo e Ana Bacalhau na voz.

Editado em Abril, «Canção ao Lado» é disco de platina (vinte mil unidades) e está entre os dez discos mais vendidos no mercado português.

O álbum, que inclui temas como «Fado do Toninho», «Movimento Perpétuo Associativo», «Fon-fon-fon» e «Contado Ninguém Acredita», é considerado um dos mais originais editados este ano no panorama português, incorporando influências do fado, da pop, da música tradicional portuguesa e da brasileira.

«Gosto de dizer que Deolinda fazem música popular portuguesa onde cabe tudo, de Zeca Afonso a Variações», descreveu Pedro Martins à agência Lusa em Abril, quando o álbum foi editado.

À estética musical juntam-se letras humoradas, mordazes, talhadas ao perfil da personagem Deolinda, rapariga suburbana, de xaile pelo ombro, chinelo no pé, que vive com dois gatos e um peixinho vermelho.

No álbum participam ainda vários amigos dos Deolinda, sobretudo para os coros dos temas «Movimento Perpétuo Associativo« e «Garçonete da Casa de Fado», entre os quais Mitó (A Naifa), Norberto Lobo, Mariana e Joana (Ex-Pinhead Society) e Gonçalo Tocha, o realizador ao serviço do grupo.

Depois da edição do álbum, os Deolinda andaram sobretudo na estrada em digressão, com concertos, por exemplo, no Festival Sudoeste, no encerramento do Estoril Film Festival, no Super Bock em Stock, em Lisboa.

A fechar o ano, a 31 de Dezembro, tocam em Quarteira, no Algarve, juntamente com David Fonseca.