PUB.

PSD deixou de ter representantes no executivo do Município de Mirandela

PUB.

Qua, 27/09/2023 - 08:20


Os três vereadores eleitos pelo partido nas autárquicas de 2021, passam a independentes naquele órgão autárquico

Depois de Duarte Travanca ter visto a concelhia dos social-democratas retirar a confiança política, agora os restantes dois vereadores também deixaram de representar o partido, em solidariedade para com Duarte Travanca.

Francisco Clemente e Nélia Pinheiro, dois dos três vereadores eleitos nas listas do PSD, nas eleições autárquicas de 2021, em Mirandela, revelam, em comunicado enviado à nossa redação, que estão totalmente solidários com o Vereador Duarte Travanca - cabeça de lista dos sociais-democratas, há dois anos - depois do anúncio da comissão política concelhia de Mirandela do PSD de lhe retirar a confiança política.

Na nota enviada, os dois vereadores adiantam que, logo após essa decisão do PSD local, informaram a estrutura concelhia que deixavam de representar o PSD, alegando que “a retirada da confiança política a um
dos vereadores equivale à retirada da confiança política à totalidade dos vereadores eleitos pelo PSD”, pode ler-se.

Francisco Clemente e Nélia Pinheiro sublinham mesmo que este facto “foi reiteradamente transmitido ao Presidente do PSD Mirandela, antes de tomar a decisão de retirada da confiança política ao vereador Duarte
Travanca”.

A finalizar o comunicado, é referido que os três vereadores (Duarte Travanca, Francisco Clemente e Nélia Pinheiro) “continuarão a desenvolver o seu trabalho como independentes com elevado nível de dedicação, isenção, transparência e profissionalismo, como até aqui”, conclui a nota.

Recorde-se que, no final da semana passada, a Comissão Política Concelhia de Mirandela do PSD decidiu retirar a confiança política ao vereador do Município, Duarte Travanca. Em comunicado, a concelhia liderada por Nuno Magalhães justificou esta quebra na relação institucional “em consequência do individualismo, desrespeito institucional e falta de confiança política”.

Escrito por Terra Quente (CIR)