Plano de Desenvolvimento Rural 2020 com atrasos na aprovação de projectos no sector florestal

Qui, 10/08/2017 - 12:16


Associações e empresas florestais queixam-se da atribuição dos fundos comunitários no âmbito do Plano de Desenvolvimento Rural 2020 nesta área.

Os representantes de produtores florestais falam em atrasos na aprovação de projectos e põe em causa os critérios para o financiamento.
O presidente da Associação Nacional de Empresas Florestais, Agrícolas e do Ambiente – a ANEFA, Pedro Ramos frisa que o tempo de demora para ver projectos aprovados faz com que muitos desistam de investir na floresta.
“O investimento florestal é sempre um problema porque estamos a falar de investimento a longo prazo com risco associado considerado relativamente alto. Normalmente o produtor florestal ou tem dinheiro e investe ou se existe a possibilidade de recorrer a ajudas comunitárias prefere esperar. Se chegamos a um quadro que supostamente seria entre 2014 e 2020, estamos em 2017 e 16,5% do montante que é destinado ao sector florestal aprovado, nem sequer está contratado ou executado. Atingimos metade do quadro comunitário e nem 25% de projectos aprovados nós temos”, explica. 
Pedro Ramos que é também técnico da empresa Forestefin, Florestas e Afins de Vila Flor, acusa os governantes de “não darem importância só se lembrarem da floresta quando arde.”
Abel Pereira presidente da Arborea a associação Agroflorestal e Ambiental da Terra Fria Transmontana explica que nem todos os projectos considerados viáveis são financiados.
Mesmo numa altura em que muito se discute a necessidade de uma reforma florestal, os produtores desta área queixam-se de não ter “um acesso fácil e rápido” para poderem melhorar a gestão das suas florestas. Escrito por Brigantia